segunda-feira, 29 de setembro de 2014

6
Leitura da Didaqué – Capítulos 11 - 15.
A Vida em Comunidade
04 de outubro de 2014.

OS PROFETAS E MESTRES ITINERANTES 

CAPÍTULO XI
1 Se vier alguém até você e ensinar tudo o que foi dito anteriormente, deve ser acolhido.
2 Mas se aquele que ensina é perverso e ensinar outra doutrina para te destruir, não lhe dê atenção. No entanto, se ele ensina para estabelecer a justiça e conhecimento do Senhor, você deve acolhê-lo como se fosse o Senhor.
3Já quanto aos apóstolos e profetas, faça conforme o princípio do Evangelho.
4Todo apóstolo que vem até você deve ser recebido como o próprio Senhor.
5Ele não deve ficar mais que um dia ou, se necessário, mais outro. Se ficar três dias é um falso profeta.
6Ao partir, o apóstolo não deve levar nada a não ser o pão necessário para chegar ao lugar o­nde deve parar. Se pedir dinheiro é um falso profeta.
7Não ponha à prova nem julgue um profeta que fala tudo sob inspiração, pois todo pecado será perdoado, mas esse não será perdoado.
8Nem todo aquele que fala inspirado é profeta, a não ser que viva como o Senhor. É desse modo que você reconhece o falso e o verdadeiro profeta.
9Todo profeta que, sob inspiração, manda preparar a mesa não deve comer dela. Caso contrário, é um falso profeta.
10Todo profeta que ensina a verdade mas não pratica o que ensina é um falso profeta.
11Todo profeta comprovado e verdadeiro, que age pelo mistério terreno da Igreja, mas que não ensina a fazer como ele faz não deverá ser julgado por você; ele será julgado por Deus. Assim fizeram também os antigos profetas.
12Se alguém disser sob inspiração: "Dê-me dinheiro" ou qualquer outra coisa, não o escutem. Porém, se ele pedir para dar a outros necessitados, então ninguém o julgue.

Por que devemos acolher quem ensina a justiça e o conhecimento do Senhor como se fosse o Senhor (1,2)?
Por que um apóstolo não podia ficar mais de dois dias (3,4)?
Por que o apóstolo que pede dinheiro é falso profeta (6)?
Por que não ha perdão quando julgamos e colocamos a prova um profeta que fala tudo por inspiração (7)?
Como um profeta vive como o Senhor (8)?
O que significa preparar uma mesa e não comer dela (9)?
O que significa “não ensinar a fazer como ele faz” (11)?
Como distinguir um profeta que pede para si e o profeta que pede para dar a obra de Deus (12)?


HOSPEDES CRISTÃOS

CAPÍTULO XII
1Acolha toda aquele que vier em nome do Senhor. Depois, examine para conhecê-lo, pois você tem discernimento para distinguir a esquerda da direita.
2Se o hóspede estiver de passagem, dê-lhe ajuda no que puder. Entretanto, ele não deve permanecer com você mais que dois ou três dias, se necessário.

3Se quiser se estabelecer e tiver uma profissão, então que trabalhe para se sustentar.
4Porém, se ele não tiver profissão, proceda de acordo com a prudência, para que um cristão não viva ociosamente em seu meio.
5Se ele não aceitar isso, trata-se de um comerciante de Cristo. Tenha cuidado com essa gente!

Como examinar uma pessoa que vem em nome do Senhor (1)?
Por que o hospede que vem em nome do Senhor não pode permanecer mais do que três dias (2)?
Qual a importância do trabalho para uma pessoa que vem em nome de Cristo (3,4)?
O que é um comerciante de Cristo (5)?


A OFERTA DAS PRIMÍCIAS

CAPÍTULO XIII
1Todo verdadeiro profeta que queira estabelecer-se em seu meio é digno do alimento.
2Assim também o verdadeiro mestre é digno do seu alimento, como qualquer operário.
3Assim, tome os primeiros frutos de todos os produtos da vinha e da eira, dos bois e das ovelhas, e os dê aos profetas, pois são eles os seus sumos-sacerdotes.
4Porém, se você não tiver profetas, dê aos pobres.
5Se você fizer pão, tome os primeiros e os dê conforme o preceito.
6Da mesma maneira, ao abrir um recipiente de vinho ou óleo, tome a primeira parte e a dê aos profetas.
7Tome uma parte de seu dinheiro, da sua roupa e de todas as suas posses, conforme lhe parecer oportuno, e os dê de acordo com o preceito.


O que significa dar as primícias para o profeta e o mestre (1-3)?
Por que o autor diz que os profetas são os seus sumos-sacerdotes (3)?
O que são as primícias? O que fazer com as primícias quando não há profetas para recebê-las (4)?
Existia a oferta das primícias que eram entregues aos profetas. Estas primícias podiam ser quais produtos (5-7)?


O SACRIFÍCIO DO DOMINGO

CAPÍTULO XIV
1Reúna-se no dia do Senhor para partir o pão e agradecer após ter confessado seus pecados, para que o sacrifício seja puro.
2Aquele que está brigado com seu companheiro não pode juntar-se antes de se reconciliar, para que o sacrifício oferecido não seja profanado.
3Esse é o sacrifício do qual o Senhor disse: "Em todo lugar e em todo tempo, seja oferecido um sacrifício puro porque sou um grande rei - diz o Senhor - e o meu nome é admirável entre as nações".

Que sacrifício é este (1)?
Qual o objetivo da reunião dominical (1)?
A falta de reconciliação profana o sacrifício oferecido. O que é um sacrifício profanado (2)?
Sacrifício ao rei significa um tributo. O que significa ter Jesus como rei (3)?

ESCOLHA DE LÍDERES E VIDA COMUNITÁRIA

CAPÍTULO XV
1Escolha bispos e diáconos dignos do Senhor. Eles devem ser homens mansos, desprendidos do dinheiro, verazes e provados, pois também exercem para vocês o ministério dos profetas e dos mestres.
2Não os despreze porque eles têm a mesma dignidade que os profetas e os mestres.
3Corrija uns aos outros, não com ódio, mas com paz, como você tem no Evangelho. E ninguém fale com uma pessoa que tenha ofendido o próximo; que essa pessoa não escute uma só palavra sua até que tenha se arrependido.
4Faça suas orações, esmolas e ações da forma que você tem no Evangelho de nosso Senhor.

Quais os critérios para a escolha de um bispo e de um diácono (1)?
O que significa desprezar os líderes (2)?
O que significa ter a mesma dignidade de profetas e mestres (2)?
Na igreja existia o pastoreio mútuo. O que significa corrigir uns aos outros (3)?
Qual o benefício de ficar calado até que a pessoa se arrependa (3)?
Qual a forma evangélica para se fazer orações, esmolas e ações(4)?


Quais desafios este encontro trouxe ao seu coração?



terça-feira, 16 de setembro de 2014

5
Leitura da Didaqué – Capítulos 6 - 10.
A Santa Liturgia
20 de setembro de 2014.



Leia cada versículo e comente em grupo

CAPÍTULO VI
1Fique atento para que ninguém o afaste do caminho da instrução, pois quem faz isso ensina coisas que não pertencem a Deus.
2Você será perfeito se conseguir carregar todo o jugo do Senhor. Se isso não for possível, faça o que puder.
3A respeito da comida, observe o que puder. Não coma nada do que é sacrificado aos ídolos pois esse culto é destinado a deuses mortos.

O que significa fazer o que puder? Isso não seria um liberalismo? Como entender as duas vezes que aparecem a frase “o que puder”?

A CELEBRAÇÃO LITÚRGICA 

CAPÍTULO VII

Sacramento do Batismo
1 Quanto ao batismo, faça assim: depois de ditas todas essas coisas, batize em água corrente, em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo.
2 Se você não tiver água corrente, batize em outra água. Se não puder batizar com água fria, faça com água quente.
3 Na falta de uma ou outra, derrame água três vezes sobre a cabeça, em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo.
4 Antes de batizar, tanto aquele que batiza como o batizando, bem como aqueles que puderem, devem observar o jejum. Você deve ordenar ao batizando um jejum de um ou dois dias.

Qual a forma prioritária para o Batismo?
O que significa as diversas opções para o Batismo?
Quem realiza o Batismo?
Qual a relação do Jejum com o Batismo?
Quem deveria Jejuar?

CAPÍTULO VIII

Jejum e Oração

1 Os seus jejuns não devem coincidir com os dos hipócritas. Eles jejuam no segundo e no quinto dia da semana. Porém, você deve jejuar no quarto dia e no dia da preparação.
2 Não ore como os hipócritas, mas como o Senhor ordenou em seu Evangelho. Ore assim: "Pai nosso que estás no céu, santificado seja o teu nome, venha o teu Reino, seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu; o pão nosso de cada dia nos dai hoje, perdoai nossa dívida, assim como também perdoamos os nossos devedores e não nos deixes cair em tentação, mas livrai-nos do mal porque teu é o poder e a glória para sempre".
3 Orem assim três vezes ao dia.

Quem são os hipócritas?
Qual o dia de jejum dos cristãos primitivos?
Qual a importância do Pai nosso?
Por que deveriam orar três vezes ao dia?
Você segue alguma disciplina de oração e jejum? Poderia compartilhar?

CAPÍTULO IX

Sacramento da Eucaristia

1 Celebre a Eucaristia assim:
2 Diga primeiro sobre o cálice: "Nós te agradecemos, Pai nosso, por causa da santa vinha do teu servo Davi, que nos revelaste através do teu servo Jesus. A ti, glória para sempre".
3 Depois diga sobre o pão partido: "Nós te agradecemos, Pai nosso, por causa da vida e do conhecimento que nos revelaste através do teu servo Jesus. A ti, glória para sempre.
4 Da mesma forma como este pão partido havia sido semeado sobre as colinas e depois foi recolhido para se tornar um, assim também seja reunida a tua Igreja desde os confins da terra no teu Reino, porque teu é o poder e a glória, por Jesus Cristo, para sempre".
5 Que ninguém coma nem beba da Eucaristia sem antes ter sido batizado em nome do Senhor pois sobre isso o Senhor disse: "Não dêem as coisas santas aos cães".

A Eucaristia era marcada por uma simplicidade. Observe a simplicidade da oração sobre o cálice e sobre o Pão.
Já existia uma oração própria para a Eucaristia. Oração não era de consagração dos elementos, mas de agradecimento. Por que?
Ao mesmo tempo em que há uma oração escrita, há também uma simplicidade e liberdade no Rito. O que isso significa?
Quem celebra o ritual da Eucaristia?
Por que o não batizado não poderia tomar a Eucaristia?

CAPÍTULO X
1 Após ser saciado, agradeça assim:
2 "Nós te agradecemos, Pai santo, por teu santo nome que fizeste habitar em nossos corações e pelo conhecimento, pela fé e imortalidade que nos revelaste através do teu servo Jesus. A ti, glória para sempre.
3 Tu, Senhor ­onipotente criaste todas as coisas por causa do teu nome e deste aos homens o prazer do alimento e da bebida, para que te agradeçam. A nós, porém, deste uma comida e uma bebida espirituais e uma vida eterna através do teu servo.
4 Antes de tudo, te agradecemos porque és poderoso. A ti, glória para sempre.
5 Lembra-te, Senhor, da tua Igreja, livrando-a de todo o mal e aperfeiçoando-a no teu amor. Reúne dos quatro ventos esta Igreja santificada para o teu Reino que lhe preparaste, porque teu é o poder e a glória para sempre.
6 Que a tua graça venha e este mundo passe. Hosana ao Deus de Davi. Venha quem é fiel, converta-se quem é infiel. Maranatha. Amém."
7 Deixe os profetas agradecerem à vontade.

Já existia também uma oração para depois da Eucaristia. Esta oração está organizada em dois momentos: Agradecimento e intercessão. Qual o conteúdo do agradecimento e da intercessão?
Quais desafios este encontro gerou em seu coração?


sexta-feira, 5 de setembro de 2014

Leitura da Didaqué - Capítulos 4 e 5




4
Leitura da Didaqué – Capítulos 4 - 5.
06 de setembro de 2014   

Texto Bíblico: Mateus 7.13,14.

Leia e comente cada “versículo”


CAPÍTULO IV

1Filho, lembre-se dia e noite daquele que prega a Palavra de Deus para você. Honre-o como se fosse o próprio Senhor, pois Ele está presente o­nde a soberania do Senhor é anunciada.

2Procure estar todos os dias na companhia dos fiéis para encontrar forças em suas palavras.

3Não provoque divisão. Ao contrário, reconcilia aqueles que brigam entre si. Julgue de forma justa e corrija as culpas sem distinguir as pessoas.

4Não hesite sobre o que vai acontecer.

5Não te pareças com aqueles que dão a mão quando precisam e a retiram quando devem dar.

6Se o trabalho de suas mãos te rendem algo, as ofereça como reparação pelos seus pecados.

7Não hesite em dar, nem dê reclamando porque, na verdade, você sabe quem realmente pagou sua recompensa. Reverencia, como à própria imagem de Deus.

12Deteste toda a hipocrisia e tudo aquilo que não agrada o Senhor.

13Não viole os mandamentos dos Senhor. Guarde tudo aquilo que você recebeu: não acrescente ou retire nada.

14Confesse seus pecados na reunião dos fiéis e não comece a orar estando com má consciência. Este é o caminho da vida.

Qual o versículo que mais fala a sua necessidade hoje? Por que?
Como os cristãos viviam na época da Didaqué?
O texto fala de falsos cristãos?
Como era resolvido o problema do pecado?
O que significa trabalhar com as mãos para reparar os pecados?

CAPÍTULO V

1Este é o caminho da morte: primeiro, é mau e cheio de maldições - homicídios, adultérios, paixões, fornicações, roubos, idolatria, magias, feitiçarias, rapinas, falsos testemunhos, hipocrisias, coração com duplo sentido, fraudes, orgulho, maldades, arrogância, avareza, palavras obscenas, ciúmes, insolência, altivez, ostentação e falta de temor de Deus.

Quais destes pecados estão mais presentes em nosso cristianismo do século XXI?
O que é o pecado da falta de temor de Deus?

2Nesse caminho trilham os perseguidores dos justos, os inimigos da verdade, os amantes da mentira, os ignorantes da justiça, os que não desejam o bem nem o justo julgamento, os que não praticam o bem mas o mal. A calma e a paciência estão longe deles. Estes amam as coisas vãs, são ávidos por recompensas, não se compadecem com os pobres, não se importam com os perseguidos, não reconhecem o Criador. São também assassinos de crianças, corruptores da imagem de Deus, desprezam os necessitados, oprimem os aflitos, defendem os ricos, julgam injustamente os pobres e, finalmente, são pecadores consumados. Filho, afaste-se disso tudo.

Este caminho de iniquidade está presente em nossos dias?
O que são pecadores consumados?
Como se afastar dos pecadores consumados e de todas as suas práticas?

Como ser o sal da terra e a luz do mundo? 
Como estar sendo renovado na esperança e na alegria do Senhor, apesar de tantos pecados?
Quais desafios este encontro gerou em seu coração?


segunda-feira, 25 de agosto de 2014

VI Retiro de Espiritualidade e Contemplação da OESI

O Retiro de Contemplação e Espiritualidade tem sido uma prática em minha vida espiritual há seis anos.
            Neste ano desejamos retornar ao Caminho de Emaús. Verificar a espiritualidade desta caminhada e aprender caminhando. Não existe caminho pronto. Sempre será uma experiência nova. Cada retiro Deus trabalha áreas específicas em nosso coração.
            Nesta caminhada tivemos a companhia dos Padres do Deserto. O termo, Padres do Deserto inclui um grupo influente de eremitas (sozinho) e cenobitas (em grupo) do século IV que se estabeleceram no deserto egípcio. As origens do monaquismo oriental se encontram nessas ermidas primitivas e comunidades religiosas.
            Paulo de Tebas é o primeiro eremita do qual se tem notícia, a estabelecer a tradição do ascetismo e contemplação monástica e Pacômio de Tebaida é considerado o fundador do cenobitismo, do monasticismo primitivo.
            Ao final do terceiro século, contudo, Antão do Egito orienta colônias de eremitas na região central. Esses primitivos monásticos atraíram um grande número de seguidores aos seus retiros, através da influência de sua simples e concentrada busca pela união com Deus e santificação. Os Padres do Deserto eram frequentemente solicitados para dar direção espiritual e conselho aos seus discípulos. Suas respostas foram gravadas e colecionadas num trabalho chamado "Paraíso" ou "Apotegmas dos Padres".
            Neste Retiro os Apotegmas e Orações dos Padres do Deserto foram refletidos por Anselm Grün. Também estudamos uma parte da palestra de Armand Veilleux sobre a “Lectio Divina como escola de oração entre os Padres do Deserto”.
            Como todos os Retiros anteriores, a “espinha dorsal” do encontro foi o Livro de Oração Comum considerado por João Wesley o melhor livro de oração.
            Também tivemos um momento especial para os Exercícios Espirituais no modelo de Inácio de Loyola. 

            Neste Retiro encontramos com o Cristo ressuscitado, tivemos nosso coração abrasado por sua presença e fomos renovados para a caminhada da fé.


Pastor Edmar e Patrícia

Na capela

Oração da manhã

Ministros da Oração

Livro de Oração



Cânticos de adoração

Reflexão Bíblica

Palavra compartilhada


Diaconisa Suely


Jandira e Dirce

Comentário Bíblico



Elonede e Tersa

Paulo Soares


Momento de oração

    

Creusa, Eliane e Patrícia

Os participantes

Preparação para a foto oficial

Lugar lindo

Espaço de oração

Silêncio


Caminho de Emaús




Creusa


terça-feira, 12 de agosto de 2014

3 Leitura da Didaqué – Capítulos 1 - 3. (Estudos de Espiritualidade)



3
Leitura da Didaqué – Capítulos 1 - 3.
16 de agosto de 2014

Texto Bíblico: Mateus 5.1-12

Nossa chave hermenêutica será a Espiritualidade. Iremos ler a Didaqué pensando a espiritualidade dos primeiros cristãos e a nossa.

O CAMINHO DA VIDA E O CAMINHO DA MORTE
CAPÍTULO I
            1Existem dois caminhos: o caminho da vida e o caminho da morte. Há uma grande diferença entre os dois.
            2Este é o caminho da vida: primeiro, ame a Deus que o criou; segundo, ame a seu próximo como a si mesmo. Não faça ao outro aquilo que você não quer que façam a você.
            3Este é o ensinamento derivado dessas palavras: bendiga aqueles que o amaldiçoam, ore por seus inimigos e jejue por aqueles que o perseguem. Ora, se você ama aqueles que o amam, que graça você merece? Os pagãos também não fazem o mesmo? Quanto a você, ame aqueles que o odeiam e assim você não terá nenhum inimigo.
            4Não se deixe levar pelo instinto. Se alguém lhe bofeteia na face direita, ofereça-lhe também a outra face e assim você será perfeito. Se alguém o obriga a acompanhá-lo por um quilometro, acompanhe-o por dois. Se alguém lhe tira o manto, ofereça-lhe também a túnica. Se alguém toma alguma coisa que lhe pertence, não a peça de volta porque não é direito.
            5Dê a quem lhe pede e não peças de volta pois o Pai quer que os seus bens sejam dados a todos. Bem-aventurado aquele que dá conforme o mandamento pois será considerado inocente. Ai daquele que recebe: se pede por estar necessitado, será considerado inocente; mas se recebeu sem necessidade, prestará contas do motivo e da finalidade. Será posto na prisão e será interrogado sobre o que fez... e daí não sairá até que devolva o último centavo.
            6Sobre isso também foi dito: que a sua esmola fique suando nas suas mãos até que você saiba para quem a está dando.

O caminho da vida é o caminho da prática do Mandamento do Senhor. Somente com  a graça de Deus teremos condições de perseverar no caminho da vida.
Este caminho também está relacionado ao relacionamento com o próximo.
A espiritualidade da não reação é fácil? O que fazer para não reagir? 
A espiritualidade de dar a quem pede é também provocadora. Você ainda é preso aons bens?

CAPÍTULO II
            1O segundo mandamento da instrução é:
            2Não mate, não cometa adultério, não corrompa os jovens, não fornique, não roube, não pratique a magia nem a feitiçaria. Não mate a criança no seio de sua mãe e nem depois que ela tenha nascido.
            3Não cobice os bens alheios, não cometa falso juramento, nem preste falso testemunho, não seja maldoso, nem vingativo.
            4Não tenha duplo pensamento ou linguajar pois o duplo sentido é armadilha fatal.
            5A sua palavra não deve ser em vão, mas comprovada na prática.
            6Não seja avarento, nem ladrão, nem fingido, nem malicioso, nem soberbo. Não planeje o mal contra o seu próximo.
            7Não odeie a ninguém, mas corrija alguns, ore por outros e ame ainda aos outros, mais até do que a si mesmo.

Os valores espirituais dos primeiros cristãos são difíceis para você hoje? Qual o mandamento mais difícil para você?
Nossa espiritualidade não deve ser  com vãs palavras "...mas comprovada na prática". O que isso significa?

CAPÍTULO III
            1Filho, procure evitar tudo aquilo que é mau e tudo que se parece com o mal.
            2Não seja colérico porque a ira conduz à morte. Não seja ciumento também, nem briguento ou violento, pois o homicídio nasce de todas essas coisas.
            3Filho, não cobice as mulheres pois a cobiça leva à fornicação. Evite falar palavras obscenas e olhar maliciosamente já que os adultérios surgem dessas coisas.
            4Filho, não se aproxime da adivinhação porque ela leva à idolatria. Não pratique encantamentos, astrologia ou purificações, nem queira ver ou ouvir sobre isso, pois disso tudo nasce a idolatria.
            5Filho, não seja mentiroso pois a mentira leva ao roubo. Não persiga o dinheiro nem cobice a fama porque os roubos nascem dessas coisas.
            6Filho, não fale demais pois falar muito leva à blasfêmia. Não seja insolente, nem tenha mente perversa porque as blasfêmias nascem dessas coisas.
            7Seja manso pois os mansos herdarão a terra.
            8Seja paciente, misericordioso, sem maldade, tranquilo e bondoso. Respeite sempre as palavras que você escutou.
            9Não louve a si mesmo, nem se entregue à insolência. Não se junte com os poderosos, mas aproxima dos justos e pobres.
            10Aceite tudo o que acontece contigo como coisa boa e saiba que nada acontece sem a permissão de Deus.

Este caminho espiritual é árduo: evitar o mau, a cólera, o ciúme, a cobiça sexual, adivinhações, mentira, falar demais, não louvar a si mesmo. O que mais tem te atrapalhado na caminhada espiritual?
"Não se junte aos poderosos, mas com os justos e os pobres". Qual a intenção desta regra? Você já consegue aceitar tudo que acontece com você como uma coisa boa?

Este encontro foi importante para mim? Por que? O que nestes capítulos mais falou comigo? Qual área de minha vida eu precisa crescer mais?